Uma odisseia no espaço

Foto do autor do post Nuno Figueiredo

por

Nuno Figueiredo

28 de jul de 2021

· 3 min de leitura

· 3 min de leitura

Foto do post Uma odisseia no espaço

Ao infinito e além, já dizia o Buzz Lightyear, herói preferido do meu filho mais novo, quando ele ainda estava saindo das fraldas.

O recente voo espacial do Jeff Bezos, o bilionário fundador da Amazon, causou rebuliço, e muitas críticas. Como pode torrar tanto dinheiro com turismo espacial em tempos de pandemia?

Desde que o homem foi à Lua, a humanidade sonha em explorar e colonizar o espaço. Eu Já perdi a conta de quantos filmes, de ficção ou não, sobre este tema eu já curti. Impossível não lembrar das incríveis Stark Trek e Star Wars.

E eis que alguns bilionários estão investindo e se divertindo com este tema.

Antes que você pense que tudo começou com o Elon Musk, na verdade o pioneiro de clube do bilhão foi o finado Paul Allen. Ele é somente o fundador da Microsoft, junto com o Bill Gates. O Paul fundou a Vulcan Aerospace.

Depois veio o Ellon Musk, com a Space X, e sua simpática missão de colonizar Marte.

E nas duas últimas semanas assistimos ao turismo espacial do Richard Branson e do Jeff Bezos, que torraram uma fortuna para dar uma voltinha no espaço sideral.

Parece até algo de mau gosto. No meio de uma pandemia esses caras resolvem torrar bilhões para darem um passeio. Bom, não custa lembrar que você não cria uma empresa para explorar o espaço em um ano. A Blue Origin, de Jeff Bezos, foi fundada em 2000. A Virgin Galactic, de Richard Branson, em 2004. São anos de pesquisa, desenvolvimento de tecnologia, e claro, muito dinheiro.

Sem falar da Vulcan, do Paul Allen, que foi fundada em 1986!

Explorar o espaço, ainda que por objetivos mais fúteis, gera avanços tecnológicos que usamos no dia a dia.

Essas tecnologias se destacam por sua capacidade de nos proporcionar um padrão de vida melhor. Forno de microondas, pagers e telefones celulares são bons exemplos, eles mudaram nossas vidas de forma substancial.

A SpaceX faz foguetes reutilizáveis ​​para enviar cargas ao espaço. Já a Blue Origin produz um foguete reutilizável que possa colocar passageiros em órbita. A Blue Origin também está trabalhando na criação de um motor de foguete que usa hidrogênio líquido e oxigênio líquido como combustível. Esse tipo de combustível é muito mais eficiente do que o usual que usa querosene como combustível.

As viagens espaciais também nos permitiram chegar à lua e pousar um robô em Marte. Com a ajuda de viagens espaciais, fomos capazes de alcançar Plutão e seus satélites. Neste planeta, também descobrimos algumas bactérias que podem ser encontradas em pontos de gelo nos polos de nosso próprio planeta.

Tornar um voo espacial algo rotineiro não é ruim. Isso impulsiona a criação de um mercado que vai tornar a exploração espacial, que vimos em tantos filmes, em realidade. Como todo mercado em seu estágio inicial, isso ainda é para poucos. Com o natural crescimento e amadurecimento, virá a inevitável redução de custo e o aumento de escala que permitirá, daqui a vários anos, tornar a aventura de Branson e Bezzos algo possível para muitos.

Até eu que odeio andar de avião toparia um passeio pelo espaço. Ao infinito e além.

Nuno Figueiredo

Engenheiro Eletrônico formado pela Mauá, MBA em Gestão Empresarial pela FGV, é um dos fundadores da Signa, onde atua desde 95. Entre outros defeitos, jogou rúgbi na faculdade, pratica boxe e torce pelo Palmeiras.

 

Foto: Freepik

Conheça nossos eBooks

7