O poder das siglas

Foto do autor do post Everton Zanini

por

Everton Zanini

14 de out de 2021

· 4 min de leitura

· 4 min de leitura

Foto do post O poder das siglas

Existem siglas novas e antigas, algumas agradáveis de se ouvir, outras nem um pouco. Esta semana descobrimos mais uma, que nos afetou bastante. Vamos falar um pouco sobre estas siglas?

O mundo evoluiu juntamente com a humanidade, mas na essência somos os mesmos, pois as siglas ou símbolos ainda têm grande influência em nossas vidas. O grande mestre Carl Gustav Jung, publicou em sua obra intitulada “O Homem e Seus Símbolos”, que existe um inconsciente coletivo que resulta da experiência ancestral da espécie, ou seja, não depende do indivíduo e que assim como o ar ou a água, está em todo lugar e todos experimentam.

Se pegarmos a idade Clássica como exemplo, ao nos depararmos com um estandarte em formato de águia e a sigla SPQR, seria um sinal de fim dos tempos. A Sigla significava, “Senatus Populus Que Romanus”, em português: “O Senado e o Povo Romano”.

Não nos esqueçamos da celebre sigla VVV, imortalizada também por um grande general romano, “Veni, vidi, vici”, que em português seria “Vi, vim e venci”, Júlio Cesar. Faço uma ressalva aqui no meu texto: Cesar não era um imperador, mas um Tirano em uma República.

Na época de meus pais uma das siglas que mais assustava era a URSS, “União das Repúblicas Soviéticas Socialistas”. A Guerra Fria batendo à porta de todos com o medo de quem “apertaria um botão” primeiro. Felizmente, ninguém apertou esse botão, a grosso modo. E estamos todos aqui para contar a história.

Quando era mais jovem, notem que por dizer isso já passo dos 30, a Sigla que parava o mundo era HIV ou AIDS; lembro que tinha gente que nem se sentava em um banco de metrô, sem saber se a pessoa que sentou tinha HIV. Também lembro das campanhas na TV e Rádio. Sim, não tínhamos internet e smartphones no Brasil, no começo dos anos 90. Realizei um trabalho sobre o tema quando estava na 4ª série do primário, pasmem agora, em uma biblioteca municipal, que sempre estava cheia nas épocas de prova.

Há dois anos o mundo parava novamente com outra sigla, COVID-19. Eu tinha acabado de iniciar em um novo emprego, que é o meu atual. As notícias indicavam que o mundo estava se acabando novamente. Lembro das Fake News reportando que ficaríamos trancados em nossas casas e o mundo se fecharia. Deveria ter acreditado... Perdemos muito nessa pandemia. Eu mesmo, perdi meu pai. Mas também tivemos ganhos. Atualmente trabalho no conforto do meu lar.

Recentemente, há pouco mais de uma semana, paramos novamente por causa de uma outra sigla, o DNS. Esta sigla significa “Domain Name System”, melhor que o latim dos romanos. Em português, “Sistema de Nomes de Domínio”. A internet continua operando com endereçamento IPs, ou seja, qualquer servidor, site, serviço que esteja conectado à internet, ainda recebe um endereço numérico xxx.xxx.xxx.xxx.  Porém, teríamos que ter uma agenda para saber que determinado número pertence a determinada empresa. Por isso, os grandes provedores, mantém uma tabela que gerencia os nomes e seus IPs.

Existe uma padronização? Sim. Mantida pela ICANN. Uma associação sem fins lucrativos que mantém uma padronização de nomes e endereçamento de IPs.

Agora vamos ao problema. O Facebook realizou uma manutenção em seus roteadores e alterou o DNS. Com isso, deixou de estar visível para o mundo. Desse modo, quando tentamos acessar, digitando por exemplo fb.com, os provedores não achavam os servidores deles e por padrão, buscavam em outro provedor, comportamento padrão de acesso. Não acha em um, busca no outro. Porém, o Facebook é a maior rede social do mundo. Isso criou um efeito em cascata que derrubou não somente essa rede, mas qualquer outra solicitação para aquela faixa de DNS.

Empresas pararam, pois dependiam de acesso à serviços web. Os próprios funcionários do Facebook não conseguiram entrar para trabalhar no prédio da empresa, pois o sistema de cancelas era ligado à rede.

Livres nunca estaremos, mas podemos nos preparar e apostar nas siglas que nos trazem conforto nesses momentos, como no meu caso, TMS, a sigla em inglês para Sistema de Gerenciamento de Transportes.

Espero que tenham gostado. Deixem seus comentários a respeito das siglas que podem lhes preocupar ou das quais vocês amam no momento. Não vale as de praxe, como ICMS, ISS...

 

Everton Zanini

Formado em Análise de Sistemas pela IFSP, graduado como publicitário pela Uninove, jogador assíduo da série Souls e blogueirinho no devzanini.ml. Saudosista de carteirinha de C e IBM Cobol 95.

Foto: Freepik

Conheça nosso eBook

14

Ultimos comentários

Paole

Muito bom o post, senti falta de uma sigla bem atual que vem gerando bastante polemica :) . LGPD. Parabéns Zanini

Anthony

Parabéns pelo texto, uma sigla que talvez vale o sono para os nós transportadores seja a DTE.

Jorge Abussafy

Muito bom, esclarecedor, haja siglas para identificar este mundo novo!!!