Entenda o que é dropshipping

Esse modelo de negócio tem grande adesão junto aos empreendedores que não tem a sua disposição um grande capital para investimento

Dropshipping é uma estratégia de gestão logística em que um vendedor anuncia um produto em um e-commerce, mas a responsabilidade de armazenamento, logística e expedição é destinada a outra empresa.

Em outras palavras, com o dropshipping o vendedor recebe o pedido do produto em sua loja virtual e encaminha esse pedido para um fornecedor, que deverá ter a responsabilidade de enviar esse produto para o cliente.

De maneira geral, vender com dropshipping parece o sonho de qualquer vendedor: é possível começar a vender os produtos com pouquíssimo investimento inicial, sem se preocupar com o trabalho de logística, armazenagem e expedição. Porém, antes de começar com esse modelo de vendas, é importante saber algumas coisas.

Como funciona o dropshipping?

Na prática, trabalhar com dropshipping é terceirizar o estoque e a logística de vendas, tornando o vendedor um intermediário entre o fornecedor e o cliente. Isso ocorre da seguinte forma:

1 – O vendedor precisa escolher um fornecedor e uma plataforma de vendas que trabalhem com dropshipping.

2 – Uma vez com a plataforma configurada, o vendedor começa a vender os produtos on-line e atrair clientes por meio de estratégias de marketing, oferecendo uma boa experiência de compra.

3 – Quando o cliente compra um produto, a plataforma do vendedor manda esse pedido diretamente para o fornecedor.

4 – Com o pedido em mãos, o fornecedor é responsável por toda a expedição do produto, desde a separação e embalagem até a chegada na porta do consumidor.

5 – O pós-venda conta com a participação tanto do vendedor quanto do fornecedor, uma vez que o contato com o cliente deve vir da loja e o recebimento em caso de devolução do fornecedor.

6 – Vale lembrar que o dropshipping acontece de forma praticamente invisível para o consumidor, que só descobre o processo caso perceba que a empresa descrita na nota fiscal é diferente da empresa que vendeu o produto.

(Foto – iStock)

Como funciona o dropshipping internacional?

De longe, o dropshipping internacional é o formato mais popular entre vendedores. Isso acontece, pois é comum o uso de fornecedores na China por meio de sites como Gearbest e Ali Express, que apresentam uma grande variedade de produtos por preços mais baixos, o que permite margens de lucro maiores. Porém, existem algumas desvantagens implícitas desse tipo de estratégia. O primeiro e mais importante risco, é que ainda não existe uma legislação clara sobre esse tipo de prática, ou seja, quem trabalha com dropshipping internacional, conta com uma certa insegurança jurídica. Além disso, o vendedor corre alguns riscos.

  • – Possibilidade de tributação do produto;
  • – Nova taxa de compras internacionais dos correios de R$ 15;
  • – Demora no tempo de entrega;
  • – Risco de vender produtos de baixa qualidade;

Como funciona o dropshipping nacional?

O mercado nacional de dropshipping tem diversas oportunidades interessantes, uma vez que existem algumas empresas especializadas nesse tipo de operação. Essas empresas trabalham com o fornecimento e com o sistema especificamente para vendedores interessados em trabalhar com esse formato, como é o caso do Squidfácil.

Isso gera uma série de benefícios como uma operação legal, maior agilidade na entrega dos seus produtos, facilidade maior de entrar em contato com fornecedores. Porém, como já existe um mercado de dropshipping nacional, outros vendedores terão acesso aos mesmos produtos e mesmas condições que você o que pode acabar resultando em margens de lucro menores dependendo da oferta do produto.

(Foto – iStock)

Quais são as vantagens de vender com dropshipping?

– Apresenta uma facilidade de manutenção. Trabalhar com dropshipping é como separar uma operação de vendas online em duas empresas, em que uma é responsável pela venda e outra pela entrega. O maior benefício é que o vendedor consegue focar em oferecer a melhor experiencia de compra, enquanto o fornecedor se preocupa apenas com a logística, sem precisar estar em contato com o comprador.

– O baixo custo associado é um dos maiores benefícios do dropshipping, já que não é necessário fazer um grande investimento inicial nem para adquirir um estoque e nem para mantê-lo

– Não é necessário fazer nenhum investimento de grande porte. Assim, essa estratégia acaba representando um baixo risco de prejuízo. Isso não quer dizer que é um processo 100% seguro, pois ainda existe um investimento de dinheiro e de tempo, mas comparado ao e-commerce tradicional, os riscos são menores.

– Como uma das únicas funções da loja é estabelecer o contato com o cliente, existe uma facilidade muito maior de gerenciar suas vendas de qualquer lugar do mundo, possibilitando maior mobilidade para o vendedor. Além disso, a necessidade de uma equipe é muito reduzida, já que existem menos tarefas a serem feitas.

– Um dos fatores mais importantes para ter estabilidade no e-commerce, é ter produtos que apresentem boas vendas ao longo do ano todo. Quando se trabalha com estoques de terceiros, fica fácil diversificar os seus produtos da forma que você entender melhor, podendo até mesmo acompanhar tendências instantâneas de mercado.

– Como o estoque de produtos é terceirizado, você conta com diversos benefícios logísticos, já que o frete de entrega pode ser mais barato na região do armazém (no caso de dropshipping nacional) e você não conta com todas as dificuldades de expedição como: armazenagem, embalagem, expedição e emissão de nota fiscal.

– Com todas essas possibilidades de vendas e com o tempo que o vendedor economiza em não precisar cuidar da logística da operação, escalar vendas fica muito mais fácil! Basta investir uma parte do seu dia para buscar novos produtos e novos fornecedores!

(Foto – Shutterstock)

Quais são as desvantagens de vender com dropshipping?

– Ao usar dropshipping, o vendedor está na prática revendendo produtos de um a um. Isso é positivo, pois diminui os riscos de prejuízo, mas por outro lado, acaba diminuindo a sua margem de lucro, uma vez que o fornecedor cobra mais caro por cada produto.

– Ao abrir mão de uma parte da venda, o vendedor e o fornecedor acabam perdendo controle de qualidade do serviço completo, sendo assim, fica difícil garantir qualidade na jornada de compra.

– Ao trabalhar com produtos de terceiros, o vendedor pode acabar perdendo a possibilidade de trabalhar um valor de marca, uma vez que, além da experiência de compra não ser completa, fatores de pós-venda como: embalagens especiais, encartes e cupons não poderão ser utilizados. Isso pode ser um problema no longo prazo, já que fica mais difícil fidelizar o seu cliente.

– Por ser uma opção de vendas tão prática e com pouco investimento inicial necessário, várias pessoas já usam essa estratégia. Ou seja, ao entrar nesse mercado, o vendedor deve estar ciente da grande concorrência para que ele possa trabalhar de forma mais competitiva ou para buscar nichos ainda não explorados.

– A separação da venda e da logística pode ser um problema se não houver uma linha de comunicação entre vendedor e fornecedor, já que isso pode gerar reclamações em redes sociais e sites como ReclameAqui, afetando a reputação da loja.

(Foto – iStock)

Qual a diferença entre dropshipping, crossdocking e fulfillment?

É comum confundir essas três estratégias, uma vez que todas elas envolvem terceirizar o seu estoque em algum ponto da jornada de vendas. Porém, cada uma apresenta uma particularidade em relação às outras.

Dropshipping

Como explicamos ao longo do texto, no dropshipping o cliente compra o produto em um site, o vendedor repassa esse pedido para um fornecedor terceiro, que emite a nota fiscal e faz o envio do produto para o cliente.

Crossdocking

Nesse formato logístico, o produto é levado de um armazém para outro, que funciona como um centro de redistribuição. Muito popular em grandes metrópoles em que a entrada de veículos de grande porte é limitada, o sistema também funciona para vendedores que não possuem disponibilidade de estoque mas ainda desejam realizar a expedição para os seus cliente e emitir a sua nota fiscal.

Fulfillment

Essa estratégia também envolve a terceirização de estoque, porém, o vendedor precisa primeiramente adquirir um estoque para depois mandá-lo para a empresa responsável que irá armazená-lo e cuidar de todo o processo de expedição.

Esse formato é vantajoso principalmente em marketplaces como Mercado Livre e B2W, pois além de ter a facilidade do controle logístico, o vendedor também ganha mais destaque dentro dos marketplaces, o que acaba aumentando as suas vendas e aprimorando a jornada de compra do cliente.

(Foto – Shutterstock)

Dropshipping vale a pena?

Trabalhar com dropshipping pode ser uma forma muito eficaz de ganhar dinheiro com um baixo risco de prejuízo, contanto que o vendedor esteja disposto a abrir mão de algumas coisas como: controle de toda a jornada de compra, uma margem de lucro menor e certa insegurança jurídica no caso do dropshipping internacional.

Com isso em mente, podemos dizer que dropshipping é muito indicado principalmente para vendedores que estão começando a vender ou que desejam estudar a adesão de determinados produtos ou nichos em sua loja. No médio prazo, porém, é recomendado explorar outras estratégias talvez começando um estoque com seus produtos mais vendidos uma vez que é sempre perigoso depender de apenas um canal de vendas on-line.

 

Alessandro Silveira
é especialista em logística e sócio fundador da empresa Ideris.

Fonte: Esbrasil

Nota da Signa:
A oportunidade de trazer convidados para escrever neste espaço não significa que a opinião externada seja a opinião da Signa, mas sim que, ao darmos voz a um expoente deste mercado para nos brindar com um pouco de seu conhecimento, nos permitir conhecer os assuntos por vários ângulos.

 

Conheça nossos eBooks

 

0 Comentarios