Transporte

Caminhões e Carretas - Tipos e classificações - parte 2/2

09/08/2018

Caminhões e Carretas - Tipos e classificações - parte 2/2

Dando continuidade ao nosso Artigo 4 (CAMINHÕES e CARRETAS – Tipos e classificações - parte 1/2), no qual aprendemos que caminhões são veículos fixos, monoblocos, constituindo-se de uma única parte que incorpora a cabine, com motor, e a unidade de carga (carroceria), chegou o momento de falarmos das carretas.

Carretas

As carretas, diferentemente dos caminhões simples, são veículos articulados, possuindo a unidade de tração e de carga localizadas em módulos separados. Essas unidades são chamadas de cavalo mecânico (que abriga o motor, as rodas de tração e a cabine do motorista) e semi-reboque (módulo de carga), respectivamente.

Os semi-reboques são equipamentos que não apresentam qualquer eixo na dianteira, mas tão-somente na traseira, devendo ser acoplados aos cavalos mecânicos. Eles podem ser dos mais diversos tipos, como abertos (em forma de gaiolas, plataformas, cegonheiras, tanques) ou fechados (baús), cada qual apropriado a um determinado tipo de carga. Os semi-reboques fechados podem ser equipados com maquinários de refrigeração para transporte de cargas que necessitam de controle de temperatura.

As carretas também apresentam capacidades de carga diversas que, dependendo do número de eixos do cavalo mecânico (dois ou três), e do semi-reboque (dois ou três), variam até aproximadamente 30 toneladas.

Cavalo Mecânico ou caminhão extra-pesado

É formado pelo conjunto da cabine, motor e rodas de tração com eixo simples (apenas 2 rodas de tração). Pode ser engatado em vários tipos de carretas e semi-reboques, para o transporte.

Carreta 2 eixos

Utiliza um cavalo mecânico simples e um semi-reboque com 2 eixos cada. Possui peso bruto máximo de 33 toneladas e comprimento máximo de 18,15 metros.

Carreta 3 eixos

Utiliza um cavalo mecânico simples (2 eixos) e um semi-reboque com 3 eixos. Possui peso bruto máximo de 41,5 toneladas e comprimento máximo de 18,15 metros.

 

Cavalo Mecânico Trucado ou LSC

Tem o mesmo conceito do cavalo mecânico, mas com o diferencial de ter eixo duplo em seu conjunto, para poder carregar mais peso. Assim o volume da carga do semi-reboque distribui-se por mais rodas, e a pressão exercida na estrada é menor.

Carreta Cavalo Trucado

Utiliza um cavalo mecânico trucado e um semi-reboque também com 3 eixos. Seu peso bruto máximo é de 45 toneladas e comprimento máximo de 18,15 metros.

Bitrem ou treminhão

É uma combinação de veículos de carga composta por um total de sete eixos, que permite o transporte de um peso bruto total de 57 toneladas. Os semi-reboques dessa combinação podem ser tracionados por um cavalo-mecânico trucado.

O bitrem é composto por três unidades: um cavalo mecânico tracionando dois semi-reboques – o primeiro deles é acoplado na quinta roda do cavalo e o segundo em uma segunda quinta roda, que se localiza no prolongamento do primeiro semi-reboque.

Rodotrem

Combina veículos de carga (dois semi-reboques) formando o total de 9 eixos, permitindo o transporte de um peso bruto total de 74 toneladas. É formado pelas três unidades do bitrem e mais uma, que é o dolly, unidade de articulação que fica posicionada entre os semi-reboques.

O rodotrem ganha eixos a mais, em relação ao bitrem, devido à presença do dolly, que tem, em geral, dois eixos. Essa formação precisa ser tracionada por um cavalo-mecânico trucado e é obrigatório ter um trajeto definido para obter Autorização Especial de Trânsito (AET).

Tritrem

É derivado do bitrem, no qual é acoplado mais uma quinta roda e mais um semi-reboque. A combinação Tritrem é formada por três semi-reboques interligados entre si por meio de pino-rei/quinta-roda, como acontece na combinação Bitrem. Este conjunto permite o mesmo peso bruto total do Rodotrem (74 toneladas) mas, em razão de suas características específicas, é utilizado somente para o transporte florestal.

Tetraminhão e Pentaminhão

São derivados do treminhão, sendo o mesmo tipo de combinação, apenas com mais reboques agregados. Estes dois tipos são especificamente utilizados para transportar cana-de-açucar, e normalmente trafegam somente em vias vicinais, no trajeto entre as plantações e as usinas, pois não são oficializados legalmente.

Essas são as classificações básicas das carretas utilizadas nas rodovias brasileiras e, desse modo, concluímos a série de dois posts sobre as tipologias de caminhões. Espero que tenha sido uma leitura prazerosa e que tenha agregado algum conhecimento a você, nosso leitor.

Se você gostou, clique abaixo e compartilhe! Conhecimento nunca é demais.

 

Vitor Schäfer Serra
vserra@rodoquick.com.br
(013) 3219 2017 / (013) 9 9778 5500

Da RodoQUICK, em Santos - 13/10/2016 - Edição 005

Fonte: RodoQuick.com.br

 

Nota da Signa:
A oportunidade de trazer convidados para escrever neste espaço não significa que a opinião externada seja a opinião da Signa, mas sim que, ao darmos voz a um expoente deste mercado para nos brindar com um pouco de seu conhecimento, nos permitir conhecer os assuntos por vários ângulos.

Foto: Richard Revel

0 Comentarios